Você sabe como funciona o financiamento de um imóvel na planta?

Comprar um imóvel novo, ainda na planta, pode ser um ótimo negócio em muitos aspectos. Além de adquirir uma casa ou apartamento nunca habitado, com grande potencial de valorização, é possível negociar condições especiais junto à construtora, tornando a compra ainda mais atraente.

Para aproveitar essas vantagens, é importante conhecer em detalhes como funciona o financiamento de um imóvel na planta. Assim, você evita surpresas e realiza o projeto de adquirir sua casa ou apartamento novo com mais tranquilidade.

Para ajudá-lo, preparamos este conteúdo com tudo o que você precisa saber para se decidir a comprar um imóvel na planta. Confira.

Como funciona o financiamento de imóvel na planta

Quem adquire um imóvel na planta está comprando um bem que ainda não existe. Desse modo, o comprador vai ajudar a construtora a financiar a obra. Logo, é essencial pesquisar com muita atenção o histórico do empreendedor para reduzir os riscos de que algo dê errado. Abaixo, saiba o que fazer nesse momento!

Antes da entrega das chaves

O financiamento de um imóvel na planta pode ser dividido em duas fases. A primeira compreende o período da obra propriamente dita e se encerra quando é feita a entrega das chaves da casa ou apartamento. Nesse período, o comprador paga, basicamente pela entrada do imóvel e algumas parcelas iniciais.

Nessa fase, as construtoras necessitam de recursos para tocar a obra, o que torna mais fácil a negociação das condições da compra. Se houver recursos para pagar uma entrada mais elevada, é possível melhorar as demais condições de compra.

Importante ficar atento a um aspecto nesta etapa: durante o período das obras, que duram, em média, 36 meses, não é permitida a cobrança de juros pelo parcelamento acordado. Durante a construção, o único reajuste permitido nos pagamentos é uma correção baseada no Índice Nacional de Construção Civil (INCC), que mede a inflação do setor.

Após a entrega das chaves

O valor restante do imóvel deve ser pago à construtora no momento da entrega das chaves. O pagamento pode ser feito por meio de uma parcela única, quitando todo o débito, ou por meio do financiamento.

O saldo a ser pago terá por base o valor acordado no início da obra, que, em geral, é consideravelmente mais baixo do que aquele cobrado após a sua conclusão. Se você combinou o pagamento de R$ 200 mil pelo imóvel e já pagou R$ 50 mil, terá que financiar os R$ 150 mil restantes. Provavelmente, com a obra pronta, a casa ou apartamento já valerá mais, R$ 300 mil, por exemplo. Essa diferença mostra o quanto é vantajoso adquirir o imóvel na planta.

Para financiar o saldo após a entrega da chaves ainda é possível obter vantagens. Como as construtoras também recorrem aos bancos para financiar a obra, pode ser um bom negócio o financiamento do saldo devedor na mesma instituição. Nesses casos, geralmente há benefícios para quem comprou a unidade na planta, como redução de juros ou flexibilização dos prazos.

Cuidados para financiar o imóvel na planta

Como em qualquer outro modelo de financiamento, a operação envolvendo um imóvel na planta exige uma série de cuidados para garantir a segurança do comprador e o sucesso da operação. Veja o que é preciso observar nesses casos.

Avalie a construtora

Ao comprar um imóvel na planta é preciso ter absoluta confiança de que a construtora tem condições de entregar a obra conforme acordado e no tempo prometido. Por isso, é importante avaliar o seu histórico.

É essencial procurar referências, ouvir outros clientes da empresa e checar se a sua documentação está correta. Consultar entidades como o Secovi (Sindicato Estadual da Área de Habitação) ou o Creci (Conselho Regional de Corretores de Imóveis) pode ajudar. Além disso, não deixe de visitar o canteiro de obras eventualmente para checar se o andamento dos trabalhos está em dia.

Determine o tipo de imóvel que procura

Antes de iniciar o processo de compra é importante estabelecer o tipo de imóvel na planta que você precisa. Tamanho, localização, número de quartos, infraestrutura etc., tudo precisa ser definido de acordo com a sua real necessidade e capacidade.

Não é raro que, ao visitar plantões de vendas, as pessoas se encantem com maquetes, prospectos e simulações de imóveis decorados e fiquem tentadas a comprar uma casa ou apartamento mais sofisticado do que o necessário. Isso pode gerar um endividamento maior do que o recomendável, por um longo período. Evite isso!

Analise sua capacidade financeira

Também é fundamental dimensionar a sua capacidade financeira para garantir que o negócio vai caber em seu bolso. Para isso, é fundamental ter uma visão de futuro, pois o financiamento do imóvel é, em geral, um compromisso que vai lhe acompanhar por anos ou mesmo décadas.

Assim, é importante entender as duas etapas do financiamento de imóveis na planta que explicamos acima, pois as condições podem mudar bastante após a entrega das chaves. É recomendável simular todas as possibilidades, especialmente o comportamento do saldo devedor para evitar surpresas posteriores.

Fique atentos às despesas extras

Além de estudar detalhadamente as condições do financiamento, é importante ficar atento aos custos extras que envolvem a compra de um imóvel. Há uma série de impostos e taxas que precisam ser pagos para ocupar a casa nova, o que poder surpreender os desavisados.

Somente para o Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis (ITBI), por exemplo, é preciso reservar entre 2% a 4% do valor do imóvel, dependendo da cidade. Sem ele, não é possível fazer a transferência do bem para o seu nome. Ainda há outras despesas com o próprio registro, mobília e mudança, entre outros.

Estude o contrato

O contrato de compra e venda é onde estão registradas todas as condições do negócio. Portanto, se houver algum litígio ou alguma inconformidade no imóvel é o que consta no documento que será considerado na hora de resolver a pendência. Por isso estude-o com muito cuidado.

Todas as condições combinadas com a construtora devem estar detalhadas no contrato. O ideal é contar com a ajuda de um advogado especialista em questões imobiliárias para ajudá-lo nesta análise.

Entender como funciona o financiamento de um imóvel na planta é o primeiro passo para fechar um bom negócio. Além disso, não se esqueça de que ter um bom planejamento financeiro e identificar uma empresa de confiança para fechar negócio são essenciais para ter sucesso na realização desse sonho,

E, como informação nunca é demais para quem está programando comprar um imóvel, aproveite para assinar nossa newsletter e receba nossas novidades e informações sobre o mercado imobiliário em primeira mão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cadastre-se e receba as informações exclusivas desse lançamento no Parque UNA

Arquiteta e Urbanista e Especialista em Arquitetura de Interiores. Atualmente realiza seus trabalhos em Pelotas e em Porto Alegre. Desenvolve seus trabalhos com conhecimento técnico, responsabilidade e dedicação. Mas acredita que a arquitetura vai além do espaço, e que está diretamente ligada às sensações, comportamentos e sentimentos. Onde cabe ao profissional personalizar a essência do usuário e qualificar o espaço. Considera um privilégio fazer parte de cada história e ver cada traço do projeto saindo do papel exatamente da forma que foi planejada por ela!
Arquiteta e Urbanista formada pela Universidade Católica de Pelotas – UCPel, com 7 anos de experiência em Projetos de Interiores, Arquitetônicos e Paisagismo. Hoje, também atua com trabalhos de consultorias e mentoria em arquitetura, laudos técnicos e acompanhamentos de obra. Além disso, é empreendedora e cofundadora do projeto Elo Colaborativo, colunista da Revista Toda Casa e tem forte atuação nas redes sociais com criação de conteúdos para arquitetura.
Formada pela UCPEL em Arquitetura e Urbanismo no ano de 2008 e com especialização em Eng. de Segurança, a arquiteta Lilian Sampaio atua no mercado de Arquitetura Residencial e Comercial com ênfase em Projetos de Interiores, tendo como conceito para seu processo criativo a “Arquitetura Sinestésica”, que busca estimular o inconsciente e o despertar de sensações.
Graduada pela UCPEL, no ano de 2013, iniciou carreira profissional trabalhando com outros Arquitetos, com eles adquiriu muita experiência e aprendizado, estagiou desde cedo, porque acreditava que era através do dia a dia que aprenderia a verdadeira Arquitetura. Em um dos escritórios, o que passou a maior parte da vida acadêmica, foi estagiária e logo após formada foi contratada, dois anos depois foi convidada a ser sócia. No ano de 2017 iniciou sua jornada, colocando sua marca nos Projetos, estando a frente do seu escritório, o EADK (Estúdio de Arquitetura e Design), e assim, vem ganhando cada vez mais espaço. No momento desenvolve projetos de Arquitetura Residencial, Projetos e Design de interiores (residencial e comercial) e reformas, atua na cidade de Pelotas e Santa Vitória do Palmar (cidade Natal).

Joana Rocha é arquiteta e design de interiores. Formada pela Universidade Católica de Pelotas e pós -graduanda pelo Ipog de Porto Alegre. Ama trabalhar com criação e transformação de espaços. No ponto de vista de Joana a arquitetura é capaz de transformar a vida das pessoas, pois ela está presente no cotidiano de todos.  Além disso, acredita que a arquitetura, o  design e a arte, andam de  mãos dadas e são inseparáveis.

Um espaço bem pensado de acordo com o estilo de vida, personalidade dos usuários faz toda a diferença.

Atua em arquitetura de interiores, projeto arquitetônico, paisagismo e regularizações, também trabalha com arquitetura modular.

Há 17 anos formada na UFPEL, começou fazendo um pouco de tudo em um escritório em Poa no ano de 2003, depois trabalhou com Stands e também atuou no mercado de móveis planejados, desde 2013 em Pelotas atua fortemente com projetos comerciais, reforma de interiores e alguns projetos arquitetônicos.

Formou-se na Universidade Católica de Pelotas em 2010. Trabalha nas áreas de arquitetura e execução para arquitetônicos, interiores, paisagismos, decorações, consultorias e regularizações, tanto na área residencial, como na área comercial e institucional. O atendimento diferenciado, personalizado, proporciona a interatividade entre a arquiteta e o cliente, fazendo projetos adequados à necessidade de cada um.

Atua há 15 anos com projeto e execução de ambientes comerciais, residenciais, interiores e paisagismo. Sua formação em Arquitetura e Urbanismo, pela UFPEL, foi complementada por uma especialização em construção civil, pelo NORIE / UFRGS, e posteriormente pelo mestrado em Arquitetura e Urbanismo na área da Percepção Ambiental com foco em habitação e envelhecimento. No seu trabalho desenvolve soluções para as diferentes fases da vida: nascimento, infância, adolescência, fase adulta e envelhecimento. Seu propósito é traduzir os desejos dos clientes em ambientes que valorizem a estética e funcionalidade, mas acima de tudo, que tragam bem estar e representem a personalidade de quem irá usar o lugar.

Andréa Buss Tessaro, paranaense, mora há 15 anos em Pelotas, formada pela Ucpel em fevereiro de 2016 em Arquitetura e Urbanismo, atuando desde então em escritório próprio. Hoje seu escritório é localizado no Parque Una, no container 29. 

Atua em arquitetura de interiores, projeto arquitetônico, paisagismo e regularizações, também trabalha com arquitetura modular.

Arquiteta Tamara Janovik Trabalha nas áreas de arquitetura e execução para projetos arquitetônicos, interiores, paisagismos, consultorias e regularizações. Sua meta é desenvolver projetos exclusivos para cada cliente, proporcionando beleza, conforto e praticidade.